Uma Princesa de Marte (A Princess of Mars)

Livroprin Uma Princesa de Marte
Autor: Edgar Rice Burroughs
Editora: Aleph
Ano de publicação: 2012 (O livro é de 1912)
Número de páginas: 272
Média no Skoob: 4.0

“Meu treinamento e dos jovens marcianos era conduzido apenas pelas mulheres, que não só cuidavam da educação dos jovens nas artes da defesa e do ataque, mas também eram as artesãs que produziam todos os artigos manufaturados dos marcianos verdes. Elas fazem a pólvora, os cartuchos, as armas de fogo; na verdade, tudo de valor é produzido pelas fêmeas. Em tempo de guerra, elas compõem parte das reservas e, quando há a necessidade, lutam com inteligência e ferocidade ainda maior que a dos homens.” (minha tradução)

Olá, leitores! 🙂

O livro “Uma Princesa de Marte” foi escrito por Edgar R. Burroughs (mesmo autor de Tarzan) em 1912. Ele se inspirou nas descobertas feitas por Giovanni Schaparelli, em 1877, que observando Marte, identificou, pela primeira vez, seus canais, fazendo com que algumas pessoas acreditassem na existência de vida no planeta.

John Carter é o típico herói americano que nos conta sua experiência de ir para Marte (Barsoom, na língua dos marcianos). Nem ele, e consequentemente nem a gente, sabe muito bem como isso aconteceu.

Chegando lá, ele nos descreve como é o planeta e os povos que os habitam. Nem todos os povos são iguais, os Tharks (marcianos verdes que capturam John Carter) são guerreiros em sua essência, não há família, não há bons sentimentos e não há laços. De fato, todos os povos de Marte estão em guerra constante.

Os Tharks também capturam Dejah Thoris, princesa de Helium (um povo mais parecido com os humanos, tanto fisicamente como moralmente).

Nosso herói, que tinha sido um soldado na guerra, ajudado pela falta de gravidade do planeta se torna um guerreiro invencível em Marte. Luta com os maiores, luta com quatro ao mesmo tempo e sempre sai vitorioso. Ele encontra Dejah Thoris e resolve ajudá-la a fugir. Em meio a tanta guerra, surge o amor.

O livro continua com John Carter narrando as inúmeras dificuldades e aventuras que eles enfrentam nessa jornada.

O fato do livro ser narrado em 1a pessoa, ajuda bastante na parte de descobrimento de um novo planeta, pois temos alguém que nos conta o que vê de um ponto de vista muito parecido com o nosso. E a descrição do livro é fantástica!! Burroughs, simplesmente, construiu um planeta inteiro! Desde então, ainda imaginamos os marcianos como seres verdes, agressivos e não civilizados.

Li o livro em inglês e a leitura transcorreu bem. Gostei bastante da história e do romance simples que ela nos traz, não tem como não torcer pelo casal.

O fim, apesar de um pouco esperado em função do começo da história, me deixou um tempo sem palavras, não queria que fosse desse jeito, mas acho que foi uma escolha bem esperta da parte do autor.

Sua série sobre Barsoom possui 11 livros e espero ler mais alguns deles no futuro.

Coincidentemente, passou o filme “John Carter” (2012) na televisão depois que terminei o livro. E, sério, nada a ver! Me lembrou as adaptações de Percy Jackson, na qual eles mantém os nomes das personagens e algumas atitudes isoladas, mas fazem um roteiro totalmente novo! Nesses casos, sou a favor de darem um novo nome ao filme (não basta colocar o nome da personagem principal como título) e colocar na abertura, em letras miúdas, “inspirado no livro…”, seria mais honesto.

Esse livro pode ser baixado de graça (legalmente). Eu baixei aqui (em inglês).

Para comprar o livro, clique em um dos links: Amazon / Saraiva / Submarino

Agora, uma pergunta: Se você fosse criar uma história em Marte, como seriam os seus marcianos?

Me conta nos comentários! 😉

Até mais!

Anúncios

A Ilha do Dr. Moreau

31Q3nbVK69L._AA160_Livro:  A Ilha Do Dr. Moreau
Autor: H. G. Wells
Editora: Alfaguara
Ano de publicação: 2012 (O livro é de 1896)
Número de páginas: 176
Média no Skoob: 4.0

“Imagine-se cercado por todos os mais horríveis monstros e maníacos que é possível conceber e você vai entender um pouco dos meus sentimentos com essas grotescas caricaturas de seres humanos ao meu redor.” (minha tradução)

Olá, leitores! 🙂

A Ilha do Dr. Moreau é um clássico de aventura e ficção científica que conta a história de Edward Prendick. Após um acidente de navio, ele é resgatado e vai parar em uma ilha na qual o Dr. Moreau está fazendo experiências envolvendo vivisecção, transformando animais em humanos.

O Dr. Moreau diz que trabalhar nas aparências é muito mais fácil do que na inteligência e afirma que ainda não conseguiu mexer nos instintos e nas emoções.

Os animais, apesar de terem uma aparência assustadora, são capazes de falar e realizar tarefas humanas. Eles repetem constantemente as leis criadas por Moreau, como não experimentar sangue, não andar nas quatro patas, não escalar árvores, etc. Se não seguirem as leis, eles são punidos. Tudo para impedir que aflorem os instintos animais.

Li o livro em inglês e a linguagem não é tão difícil quanto Drácula ou Frankenstein e nem tão fácil, mas, no geral, a leitura flui bem. A história cria um clima de tensão, pois as personagens nunca estão seguras.

A história é contada em forma de relatos/memórias escritas por Edward Prendick, que resolveu registrar sua história após voltar para Londres (já sabemos disso nas primeiras páginas).

Um enredo aparentemente simples, mas repleto de reflexões acerca do que diferencia um homem de um animal. Ao terminar o livro, a questão fica por um tempo martelando os pensamentos e acho muito bom quando isso acontece! Apesar de ser um livro antigo, a premissa é bem atual, encontramos em suas páginas críticas sobre o colonialismo, os avanços da ciência e, até mesmo, a religião.

O livro pode ser baixado (legalmente) de graça. Eu baixei aqui (em inglês).

Para comprar o livro: Amazon / Saraiva / Submarino

Por enquanto, fico por aqui.
Se já leu o livro, me conta o que achou. 😉
Escreva seus comentários e sugestões para os próximos posts.
Até mais!